2.8.12

Da iniciativa privada

Quem me conhece sabe bem que sou todo a favor da iniciativa privada. Não gosto de subsídios, não gosto de dependências, gosto de fazer acontecer e gosto de quem arrisca. Mas também gosto muito de digerir bem o que vejo, ouço ou leio.
Há dias tive de ir levantar (e pagar) uma declaração de uma 'junta médica' para um familiar. Residentes, que somos, em Esmoriz, achei estranho ter de me deslocar ao Centro de Saúde da Murtosa (para quem não conhece, a Murtosa fica a cerca de 35km de Esmoriz, encaixada bem no centro da Ria de Aveiro).
Assim que cheguei à Murtosa comecei a procurar por placas que me indicassem o Centro de Saúde. Rapidamente encontrei bonitas placas a indicar o Centro Médico da Murtosa. Lá fui eu, mas assim que cheguei percebi que Centro Médico da Murtosa é diferente de Centro de Saúde da Murtosa. Aquele era um edifício privado, tinha um parque cheio de carros, uma entrada interessante e notava-se muito cuidado, pelo menos exterior. O que procurava era um equipamento público.
Continuei na minha busca até que, sem alternativa, pedi a um peão alguma indicação.
Muito bem, assim que chego ao Centro de Saúde da Murtosa pasmei, literalmente fiquei de boca aberta. O estado exterior do edifício, que foi em tempos hospital, é inacreditavelmente mau. O parque de estacionamento em terra batida tem verdadeiras crateras, está desordenado, os 'jardins' não vêm um aparador de 'erva' há anos, o edifício está sujo, tem sinais evidentes de desleixo. Já vi edifícios abandonados com muito melhor aspecto.
Nenhum utente do serviço nacional de saúde que precise e possa optar entre ser atendido no Centro de Saúde da Murtosa ou no Centro Médico da Murtosa opta pelo serviço público. Não que o serviço público seja mau, porque não é, bem antes pelo contrário, mas o aspecto conta muito na decisão do utente.
O aspecto, as instalações, as condições de trabalho contam na decisão do utente, mas contam muito na motivação e boa disposição dos prestadores de cuidados médicos ou serviços administrativos. Na Murtosa é muito, mas muito evidente um desinvestimento nos cuidados de saúde públicos em detrimento de uma empresa privada que existe e que, com toda a certeza, tem resultados positivos.
Lamento, mas não consigo perceber porque razão o Centro Médico da Murtosa pode ser bem sucedido financeiramente e enquanto prestador de serviços de saúde e o Centro de Saúde da Murtosa não.
Lamento, mas isto não é iniciativa privada! Isto é o Estado a criar pequenos monopólios locais fruto da sua falta de capacidade para cumprir a sua função: servir os cidadãos!

4 comentários:

Sílvia Silva disse...

O que tb não se compreende são as diferenças de uns sítios para outros. o centro de saúde aqui da minha área de residência, quase que parece privado de tão bom aspecto que tem. Não fossem os serviços administrativos serem povoados pelo tipo de pessoas que está ao telefone com uma amiga enquanto um utente espera, quase que parecia prefeito. Não é, porque falta ali qq coisa, e esse coisa, está nas pessoas, não nos edifícios:D

Gabriel Martins da Costa disse...

Caro Pedro Maia, agradeço o comentário positivo as instalações do CMM, e apraz-me dizer que foi integralmente construído, pensado e executado sem ajuda de qq apoio estatal ou PPP. Por outro lado devo dizer que as instalações do Centro de Saude Da Murtosa são agradáveis no seu interior e suficientemente capazes de responder as necessidades da sua população. Se o exterior não agrada ao comum utilizador talvez se deva mais ao senhorio (misericórdia) que ao inquilino (ARS). Se o CMM tem resultados positivos é pq conforme diz que a Murtosa esta no coração da Ria de Aveiro, tb o CMM esta no coração dos murtoseiros... Dos estarrejenses... Dos viriatos e dos Scalabitanos.
Antes de enterpreneur na saúde era utente daquele "pobre" centro de saúde da Murtosa, e nunca tive algo de mau a dizer, muito pelo contrario. Em tempos algum existiu um monopólio privado da saúde na Murtosa... Mas sim uma complementaridade que apenas os privados podem fornecer ao Estado português.
Votos de saúde, Gabriel Costa.
Diretor do CMM-Murtosa, Viseu, Santarem e Estarreja

Pedro Maia disse...

Caro Gabriel Martins da Costa, bom dia, obrigado pelo seu comentário e pelo esclarecimento.
Aquilo que realmente me desiludiu quando visitei o CS da Murtosa foi o inacreditável estado exterior das instalações. Reconheço o meu desconhecimento daquele caso concreto e quis dar a minha opinião acerca da importância da imagem cuidada que um serviço público deve ter. Por vezes fico com a sensação que o Estado, tal como um 'mau menino rico', prefere pensar: 'oh, isto só dá chatices e despesa, quem estiver por lá que resolva!' E ambos sabemos que a falta de liderança, de metas, de objectivos acaba por desmotivar e levar, no caso, à 'morte' de serviços que poderiam ser uma referência.
Quanto ao CMM realmente fui descuidado na forma como 'liguei' a minha observação de desinvestimento público a um benefício do investimento privado. Pela forma como escrevi podemos ficar com a sensação que o desinvestimento público na Murtosa é um 'arranjinho'. E isso, é certamente falso.
Tenho a certeza que o CMM é um bom projeto, com excelentes serviços e com uma gestão cuidada e atenta. Se assim não fosse não contaria já 4 centros bem sucedidos.
Os meus melhores cumprimentos.

Anónimo disse...

CMM não tem nenhum apoio estatal? Não acredito!Qualidade? Pouca ou nunhuma! No coração dos mutoseiros? So se for pelas piores razoes! O C.S.Murtosa so é defendido porque os médico de família também trabalham no CMM.
Caro Sr Pedro Maia não se deixe iliduir!